Carregando...

VOCÊ LEMBRA DE APLICAR PROTETOR SOLAR EM TODOS OS LUGARES?

Publicidade

Sabemos que é necessário colocar alguns durante a exposição, mas não sabemos exatamente como aplicar nosso protetor solar.

A prova, você provavelmente esquece de proteger essas 6 partes do corpo do sol…

Publicidade

Nunca podemos dizer o suficiente: o sol é o inimigo da pele. Queimaduras, envelhecimento da pele ou câncer não são riscos a serem minimizados.

Quem diz verão, diz protetor solar . É o aliado essencial para que a sua pele não sofra os efeitos nocivos do sol.

Publicidade

Se muitas vezes nos perguntamos como escolher nosso protetor solar e qual é a melhor textura para uma boa proteção , não pensamos o suficiente em outra pergunta igualmente importante: “Aplico REALMENTE em todos os lugares? “.

Provavelmente não. Portanto, certifique-se de colocá-lo nessas partes do corpo, muitas vezes negligenciadas:

COURO CABELUDO

Más notícias: você pode ter queimaduras solares na cabeça. Portanto, é essencial usar um chapéu na cabeça, o que também evitará a insolação.

Contanto que você faça isso, você revestirá seu cabelo com um óleo capilar com FPS para proteger sua cor do sol . Estar satisfeito com seu cabelo não é suficiente, especialmente quando você tem cabelos finos .

OUVIDOS

Normalmente escondidas pelos nossos cabelos, as orelhas podem facilmente passar despercebidas. Erro. Use e abuse do protetor solar para evitar deixá-los todos vermelhos.

A BOCA

A boca também pode ficar queimada pelo sol. Não proteger essa área aumenta ainda o risco de câncer de pele. Para evitar isso, mate dois coelhos com uma cajadada só comprando um protetor labial com FPS.

AS PÁLPEBRAS

Por medo de entrar produto nos olhos, temos a infeliz tendência de evitar essa área quando aplicamos protetor solar.

Erroneamente. Porque a pele ultrafina das pálpebras é extremamente sensível. Portanto, evitamos queimá-lo usando (além do creme) óculos de sol que filtram os raios UVA e UVB.

OS PÉS

Uma queimadura de sol nos pés = impossível calçar sapatos sem sofrer = inferno. Confie em nós…

MÃOS

Não lave as mãos depois de aplicar o protetor solar em todo o corpo. Se estiverem muito pegajosos, limpe a palma da mão com um lenço de papel, mas deixe o creme nas costas das mãos.

Quer mãos enrugadas? Não. Portanto, não economize na proteção e aplique uma nova camada a cada hora (e após cada mergulho)!

QUAL PROTETOR SOLAR ESCOLHER: NOSSAS 10 PERGUNTAS URGENTES

A vida útil de um creme protetor, a diferença entre filtro e tela… Três especialistas que sabem muito sobre o sol explicam como escolher seu protetor solar.

1. QUAIS SÃO AS DIFERENÇAS ENTRE UVA, UVB E INFRAVERMELHO?

A regra a ser lembrada é que você deve tomar cuidado com os três, mas eles são mais ou menos cruéis.

Os raios UVA aceleram o envelhecimento da pele e promovem o aparecimento de manchas, mas sem serem notados no momento da exposição.

Os raios UVB, nós os sentimos, porque eles causam queimaduras solares. Mas quando a pele queima, é tarde demais, as lesões já estão presentes nas células vivas da pele.

Já os infravermelhos (IR), são responsáveis ​​pela sensação de calor. Eles agem como um sinal de alarme, mas nem sempre podemos confiar neles.

“Por exemplo, sob um céu nublado ou com muito vento, o IR é discreto e nossas células não gritam por perigo, enquanto a queimadura solar não está longe”, acrescenta Dr. Michèle Sayag, alergista e diretora de medicina da Bioderma .

2. QUAIS SÃO AS DIFERENÇAS ENTRE FILTROS MINERAIS E FILTROS ORGÂNICOS?

“As telas minerais refletem a luz”, explica Emmanuel Questel, fotobiólogo gerente dos laboratórios Pierre Fabre (Avène, A-Derma, etc.).

Reconhecidos por não serem nocivos, são usados, por exemplo, em todos os produtos de proteção orgânica.

Na lista de ingredientes, procure por dióxido de titânio e óxido de zinco. Esta família de filtros tende a deixar marcas brancas, embora tenham sido feitos progressos.

Os chamados filtros “químicos” ou “orgânicos” absorvem a luz ultravioleta. Eles criam uma camada na epiderme, filtram os raios e os neutralizam.

“Hoje, os dois tipos de filtros são muitas vezes combinados, para uma melhor proteção no mais amplo espectro UV, mas também para obter texturas mais agradáveis”, acrescenta a dermatologista Nadine Pomarède.

3. COM PROTEÇÃO FPS 50, PODEMOS ESPALHAR CREME COM MENOS FREQUÊNCIA DO QUE COM FPS 30?

Não, um FPS 50 não protege por mais tempo que um FPS 30, portanto, a aplicação deve ser renovada na mesma taxa.

“O FPS de um protetor solar é calculado em laboratório de acordo com uma determinada espessura do produto aplicado na pele”, explica a dermatologista Nadine Pomarède.

Para obter proteção na epiderme igual à anunciada, seria necessário aplicar 2mg/cm2 de pele. “Na prática, para uma mulher de estatura e constituição média, “isso equivale a aproximadamente 34 mg de creme a cada aplicação”, especifica a Dra. Michèle Sayag.

Ou um tubo de 100 ml por dia! Sejamos honestos: na nossa toalha de praia nunca conseguimos este resultado, pelo que não devemos hesitar em aplicar a sua proteção com mais frequência.

4. QUAL É O TEMPO IDEAL ENTRE DUAS APLICAÇÕES DE CREME?

Em contacto com a toalha, com as gotas de suor ou a fricção da areia, a protecção solar desaparece pouco a pouco, pelo que é necessário reaplicar regularmente. Em média, a cada duas horas.

E deve ser aplicado com cuidado! De acordo com o fotobiólogo Emmanuel Questel, “sempre esquecemos áreas ao pulverizar ou espalhar nosso protetor solar”.

A queimadura de sol no dedo do pé, na parte de trás da panturrilha ou, pior, com as marcas brancas dos dedos nas costas, já aconteceu com todos nós.

Ao renovar a “espalhamento” a cada duas horas, gradualmente obtemos um resultado mais homogêneo.

5. O PROTETOR SOLAR ADULTO É ADEQUADO PARA CRIANÇAS?

Não. “A pele das crianças, e principalmente a dos bebês, tem maior capacidade de absorção de fórmulas cosméticas do que a dos adultos”, explica a Dra. Michèle Sayag.

Como resultado, eles precisam de proteção solar que use apenas filtros minerais, o que é raro em protetores solares para adultos, e fórmulas sem perfume para limitar o risco de alergia.

6. OS ÓLEOS PROTETORES SÃO MAIS PREJUDICIAIS AO OCEANO DO QUE OS CREMES?

Óleo, creme ou mousse, qualquer que seja a textura, a toxicidade para o oceano depende dos filtros.

Claramente, quando mergulhamos depois de ter revestido o corpo com óleo protetor, vemos uma poça brilhante na superfície da água, mas isso não significa que os protetores solares se espalham mais do que se tivéssemos usado um creme.

“O que é prejudicial para os oceanos são os filtros químicos (não os filtros minerais), e seu grau de toxicidade depende de sua solubilidade na água”, explica Emmanuel Questel.

7. A PROTEÇÃO SOLAR CAUSA ESPINHAS?

Como os protetores solares são emulsões, ou seja, uma mistura de lipídios e água, certas texturas ricas têm um efeito comedogênico: é possível ver aparecer espinhas.

Para evitar esse surto, você deve escolher uma fórmula adaptada à sua pele. Segundo a Dra. Michèle Sayag, “a pele oleosa ou mista deve optar por texturas mais leves, que não deixem um filme gorduroso e com ingredientes específicos para matificar, por exemplo”.

8. VOCÊ PODE TIRAR O PROTETOR SOLAR DO VERÃO PASSADO DO ARMÁRIO?

“Se a sua proteção solar é nova e não foi aberta, não se preocupe. Um produto cosmético tem vida útil de dois a três anos”, diz Emmanuel Questel.

Por outro lado, se já foi usado no verão passado, “significa que seu tubo viveu”. Aqueceu-se ao sol, arrastou-se em várias malas de praia, passou uma noite ao ar livre, a touca certamente apanhou grãos de areia…

Neste caso, a fórmula já não é estável e é preciso investir numa nova produtos.

9. DEVEMOS PASSAR PELA ETAPA DO PROTETOR SOLAR ANTES DE PULAR NA ÁGUA, OU MELHOR, LOGO DEPOIS?

“Ambos meu capitão”, responde a Dra. Michèle Sayag. antes, porque os raios do sol penetram até 50 cm na água e, com o reflexo, você pode se queimar rapidamente. e depois, porque se o protetor solar resiste à água, não resiste a enxugar a pele com uma toalha.

10. OS ÓLEOS PROTETORES PROTEGEM TÃO BEM QUANTO OS CREMES?

“Sim, o que importa é o índice de FPS, não a textura da proteção”, explica a dermatologista Nadine Pomarède.

O nível de proteção de um óleo SPF 50 e um creme SPF 50 é, portanto, exatamente o mesmo.

Publicidade